domingo, 23 de fevereiro de 2014

QUEM CHORA E QUEM RI COM ROMPIMENTO

Ninguém nem sabe, ao certo, quando cmeçou o papo de separação entre o partido de 'seu' Cássio e o partido do governador. Talvez desde a posse do atual 'donatário' da capitania paraibana. O fato é que este ano a rede de boataria tomou uma proporção que nem o maior beneficiário, 'seu Cássio', imaginaria. E na onda dessa boataria vem a esperança na mudança e o terror dessa possível mudança. Quem tem esperança e quem está sem dormir? Um bocado de radialista, jornalista, e mais um bocado de escarradores de microfones que sofrem diariamente com o possível rompimento. Como é triste constatar que cada vez mais os nossos meios de comunicação estão contaminados com os que dependem das tetas generosas do governante de plantão e, principalmente, da verba recheada da publicidade governamental. Há quem afirme que esta segunda-feira é o dia D do rompimento de laços que nunca existiram. O que 'seu Cássio' queria em 2010 era derrotar seu "algoz político" Zé Maranhão. Apenas isso foi o necessário para a união que muita gente reza que está no fim. Em se tratando de política e políticos paraibanos, tudo pode acontecer, e o que se diz à noite nem sempre se confirma ao nascer do sol. Enquanto escrevemos, 10 da noite deste domingo, tem muita gente tomando remédio pra dormir e pra segurar a pressão cardíaca esperando o dia de amanhã. Há os que também, a essa hora, estão assumindo suas personalidades reais no bloco das Virgens, Epitácio Pessoa abaixo. Pelo menos no bloco. O certo mesmo é que se 'seu' Cássio decretar sua candidatura para este ano, muita gente vai sorrir, mas também haverá choro e ranger de dentes. Estamos de olho e sem remédios. Os que fazem este blog são livres... por enquanto.

Um comentário:

Anônimo disse...

Uma verdade: Cassio não queria aliar-se a Ricardo, queria, sim, derrotar Maranhão e verdadeiramente nunca houve aliança. Como diz Mino Carta, até o mundo mineral sabia disso.