quarta-feira, 6 de agosto de 2014

JPB1 BRILHA. JPB2 APAGA

Muitas vezes utilizamos este espaço para criticar. Criticar, principalmente erros imperdoáveis que alguns colegas nossos cometem contra a nossa sofrida Gramática. Pois bem. Cá estamos nós para elogiar a produção do telejornal JPB1 da TV Cabo Branco que, nesta terça (05), conseguiu nos impressionar, e aos telespectadores comuns é claro, por causa do cuidado que teve para apresentar um programa diferente no dia dos 429 anos da capital paraibana. Digno de elogios. Destacamos, em especial, a reportagem conduzida por Larissa Pereira, na qual a produção soube construir um roteiro sem as mesmices que, habitualmente, se acomodam nas cabeças sem criatividade espalhadas nas redações por aí. Por isso fizemos questão de capturar, acima, os nomes dos responsáveis pela reportagem: produtora, cinegrafistas e editores. Chegada a noite... lá estávamos nós, dando audiência pro fraco JPB2. Bem que a ideia de levar a apresentadora para o alto da torre ficou... ‘legal’. Mas ficou por aí. Alguém da emissora, uma mente brilhante, resolveu jogar Edilane Jurássica Araújo pra uma reportagem sobre os índios nativos da Paraíba. Pior, ela aceitou. Como noutros casos, passou vexame. Edilane não encaixa como repórter. Não tem experiência para tal. É uma ótima leitora de textos no cômodo ar condicionado dos estúdios. E só. Outro detalhe: a reportagem com os índios ficaria bem colocada no dia 19 de abril. E com outro condutor. Um jornalista de verdade. Mas a calamidade do JPB2 só se concretizou mesmo no final. A ‘fake’ de repórter Edilane, talvez empolgada demais, não sabemos com o quê, sapecou um “parabéns pelos 425 anos” de fundação de João Pessoa logo antes do “boa noite”. Fez o favor de tirar 4 dos 429 que a cidade completou nesta terça. Foi esse o ‘grand finale’ do sem graça JPB2. O gaiato de plantão grita lá da copa: será que ela quis imitar Ana Maria Braga que se despediu do seu programa com um sonoro "Adriano Suassuna" um dia após a morte do escritor? Enquanto o JPB1 brilhou na sua produção, o JPB2 escorregou e... deu mote pra nossa postagem. Estamos de olho!!!

Um comentário:

Anônimo disse...

Edilane é, realmente, péssima como repórter. E o pior que não se tratou de apenas uma matéria. É uma série. Hoje, vi mais uma. Sofrível. A entonação de voz dela é ruim, as perguntas que ela faz às pessoas, associadas ao tom da voz, soam ingênuas - isso para não dizer tolas. Realmente, não dá. A TV Cabo Branco está muito ruim. E o pior de tudo é o verniz de Globo que eles tentam passar em tudo que fazem. Fica pior ainda.