sexta-feira, 15 de junho de 2012

VERGONHA E CENSURA OCULTA

Paraíba celeiro de tantos e tantos artistas populares e as rádios, pelo menos da capital, ignoram o momento que mais movimenta o povo nordestino; o das festas juninas. O fato se agrava mais ainda em sendo o ano do centenário de Gonzagão. É de envergonhar a comunicação paraibana o desprezo para com o mais autêntico ritmo da nossa terra. As bandas que traduzem a degradação do homem, da mulher, do ser humano não param de tocar como se de forró fossem. Nada mais que satisfações comerciais. Apesar de não gostarmos não censuramos suas veiculações. O problema é a censura oculta, entre programadores e donos de emissoras, que não dão espaço aos autênticos representantes do nosso sangue nordestino. Dominguinhos, Nandos, Santanas, Elbas da vida que existem aos montes e são ignorados. Zabumba, triângulo, sanfona, padeiro que quando sós fazem um barulhinho, mas que quando se juntam fazem todos e de todas as idades sentirem algo inexplicável que mexe com a alma. Não há quem não se renda ao som do Forró. Até os turistas se decepcionam quando, no nosso estado, encontram bandas do sul; da terra de onde vieram. Aos programadores, donos e a quem interessar nosso questionamento: o que Aviões tem mais que Jorge de Altinho, Amazan, Flávio José, Jackson, Marinês, Biliu, Valdonis, Genival? Pode ter mais dinheiro, mas som não têm, nordestinidade não. Pousam o ano todo enquanto os nossos verdadeiros irmãos ficam sem pista pra aterrissar; sem palco. Nem mesmo os famosos departamentos comerciais e de marketing das emissoras conseguem formular um programa musical em homenagem ao mais autêntico som que corre nas nossas veias. O que mais vende senão o sentimento, a emoção? Quem duvida que os sentimentos se revigoram ao som de um trio de Forró? Quem não sabe responder é porque nunca dançou, nunca parou pra ouvir. Esse é apenas mais um desabafo dos integrantes do Bucho Furado. Falta uma semana para o São João e até agora as rádios não descobriram esse mês tão especial. O povo nordestino respira um ar que as rádios ainda não descobriram. Junho reune mais familiares que o próprio Natal, pelo menos em nossa região. Politicagem suja e tendenciosa não falta. Estamos de olhos e ouvidos ligados!

3 comentários:

Massa CríticaPB disse...

O fato é que as mídias tendem a colocar aquilo que gerar maior audiência e, o fato é que muitos dos forrozeiros tradicionais possuem um público muito restrito e fazem despencar a audiência das rádios ou mesmo de outras mídias.

Tiago Nunes disse...

Concordo plenamente com toda a equipe do Bucho Furado, só pra se ter uma ideia, a única emissora que eu paro para escutar logo cedo, é a Rádio Tabajara AM, que por sinal está dando um show em programação musical relacionada a nossa autenticidade nordestina, com o comunicador Aírton José (Bolinha), que sabe o que é rádio... Uns brincam de fazer rádio, achando que são os melhores. E os profissionais de verdade no mundo radiofônico, são poucos, por que não dizer pouquíssimos que não são valorizados por seus superiores, mas, se é favorecedor de um político, aí, vocês tiram suas conclusões, pois, eu encerro por aqui meu desabafo.

Anônimo disse...

FABIANO GOMES FOI PARA A ESPANHA FOI;; COM RICARDO COUTINHO.;